Agilidade distribuída: #comofaz?

Publicado por Alvaro H. Beckerig em

Tem certeza disso, Rick? Estou em pânico! Tempo de leitura: 8 minutos.

O poder do cisne negro

Imagine um cenário em que grandes players da Internet estão postando em seus sites que seus serviços estão em colapso devido ao gigantesco número de pessoas utilizando-os por não poderem sair de casa.

Parece roteiro de filme, não? Hecatombes, invasões alienígenas, inversão do pólo magnético da Terra, mudanças climáticas bruscas e pandemias virais sempre estiveram no imaginário de todos e das mais diversas obras de ficção.

A vida imita a arte e vice-versa: chegamos num momento em que temos uma pandemia real de coronavírus. O cisne negro de Taleb materializado.

Então o que aconteceu? Muitos times Ágeis acabaram por adotar o trabalho remoto em esquema de home-office devido às políticas de lockdown instituídas nos mais diversos países.

Todo mundo feliz no home-office. Será mesmo?

Relembrando conceitos

Recapitulando um pouquinho: quando falamos em Gestão Ágil, segundo Stephen Denning, pensamos nos três seguintes pontos primordiais:

  • Times pequenos e co-locados em ambientes propícios para fluição da comunicação osmótica e encorajamento de comunicação cara-a-cara;
  • Foco total no cliente para experimentação e obtenção de feedbacks que possam gerar mudanças incrementais de valor em seu produto e;
  • O poder emanado das redes, em que as mais variadas pessoas, dos mais variados pensamentos e culturas, com o ambiente correto, conseguem maximizar organicamente o valor do que estão produzindo.

Com seus membros distribuídos na segurança de seus lares, surge a dúvida: é possível trabalhar de modo Ágil – seguindo as premisas de Denning, valores e princípios do Manifesto Ágil de Desenvolvimento de Software – quando estamos em times remotos?

A resposta para isso é: Don’t Panic.

Sei que você chegou até aqui neste texto buscando uma solução, mas tudo depende do contexto dos seus times e de sua organização.

Para que seu contexto possa ser melhorado e num ciclo virtuoso você transformar o modo com sua empresa trabalha, há algumas sugestões na melhoria de algumas disfunções que times Ágeis distribuídos costumam praticar.

#vamosjuntos

Vamos juntos resolver isso aí… #VemComOPai

Resolvendo disfunções

Principais disfunções e sugestões de como resolver, em minha opinião:

  • Ausência de cerimônias:
    Mantenha as cerimônias do seu time, mas espace as cerimônias mais longas como planning, review e retrô em sessões diferentes para evitar saturação do time.

  • Reunião diária como status report:
    A reunião diária continua sendo um momento de inspeção e adaptação, não transforme a reunião diária em status report. E tente manter ao máximo o timebox de 15 minutos.

  • Nebulosidade ao invés de transparência:
    Por mais que o time esteja remoto, há a possibilidade de dar transparência no trabalho através de ferramentas on-line como Trello, Microsoft Planner ou até mesmo Excel on-line ou Google Docs.

    Transparência no backlog do produto e no backlog da sprint continuam sendo essenciais mesmo à distância para que as pessoas consigam entregar resultados que gerem bons impactos.

  • Falta de concentração da comunicação:
    Concentrar todas as mensagens de trabalho numa única ferramenta faz com que o time possa convergir num canal único de comunicação, o que eleva a transparência e aumenta o foco.

    Para assuntos que não são pertinentes ao trabalho, uma ferramenta separada de comunicação é essencial.

    Durante as cerimônias, por mais difícil que seja, é sugerido que as pessas estejam com suas webcams ligadas, já que há uma forte tendência de que façamos outras coisas em paralelo – essa atitude reforça mais ainda o foco do time.

  • Itens não demonstráveis na Review:
    Durante a review, membros do time devem ter orgulho de demonstrar o incremento do produto e devem pensar numa estratégia de demonstração desses itens.

    É de bom grado (e deveras esperto também) que o facilitador do time possa montar o cenário antes das cerimônias, assegurando que tudo vai correr bem, principalmente durante o período crucial de demonstração que é a cerimônia de Review.

  • Time não possuir um Acordo de Trabalho claro:
    Se o time não tem as regras do trabalho combinadas, facilmente sairá dos trilhos e impactará negativamente qualquer sprint, além de fazer com que gestores com determinado perfil imponham uma carga de microgerenciamento aos times.

    Se as regras estiverem claras, o comprometimento aumenta e a qualidade da entrega aumenta, deixando os gestores felizes. 🙂

    Acordos de trabalho podem incluir desde o número de horas que os membros trabalharão durante o dia, já que em home-office é fácil se exceder, qual ferramenta de comunicação será usada e até alguns temas comportamentais, como por exemplo: comprometimento de que reuniões devem ser realizadas em locais com pouco barulho externo.

    No acordo também podem ser estabelecidas regras de privacidade da informação (tais como não realizar reuniões próximas às outras pessoas que não são do time) e até a marcação das cerimônias na agenda de todo mundo.

    O acordo não precisa ser um documento assinado por todo mundo e reconhecido em cartório (eu sei que você quer fazer isso), basta que o facilitador do time faça-o emergir do time e assegure que seja do conhecimento de todos.
Agilidade é pura questão de bom-senso e valorizar as pessoas.

As pessoas importam

O artigo faz parecer que a resolução de problemas de times remotos é pura questão de bom-senso. E é mesmo.

Se você pegar o Manifesto Ágil de Desenvolvimento de Software e lê-lo cuidadosamente e com carinho, vai observar que ali, em seus valores e princípios, há extremo cuidado com as pessoas e seus ambientes de trabalho.

Neste momento difícil, devemos olhar para dentro de nós e entendermos que antigas premissas de trabalho ficarão ultrapassadas e que há cada vez mais de se abraçar o movimento Ágil para extrair o melhor da criatividade das pessoas.

Afinal, acredito que todo mundo já sabe que indivíduos e interações são mais importantes do que processos e ferramentas, mesmo que de longe.


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: