Framework – Fábrica de MVP da Garagem Digital

Publicado por Suelen Cristina do Nascimento Pereira em

Olá, meu nome é Suelen Pereira e sou PO da Garagem Digital.

Sejam bem vindxs a fábrica de MVPs da Ipiranga….

O objetivo deste post é mostrar para vocês o “Jeito Garagem” de trabalhar. Aqui a palavra-chave é agilidade e o nosso compromisso é realizar entregas de valor, de acordo com o objetivo do projeto, seja ele voltado para uma melhoria de processo ou sistêmica.

É possível entregar valor ao cliente sem burocratizar o processo? Sim! É possível. A Garagem Digital é uma fábrica de MVPs (Minimum Viable Product), onde utilizamos ferramentas para entender com o usuário qual é a sua DOR e junto com a equipe, chegar à hipótese de negócio a ser testada, o MVP. Falando em MVP, temos um post em nosso blog que fala sobre o assunto numa pegada bem leve. Clique Aqui para saber mais…

Antes da demanda entrar na fábrica de MVP ela passa por uma espécie de triagem, onde decidimos se realmente essa demanda tem características para ser um MVP ou se deverá ser um projeto. Se for um caso para projeto, então encaminhamos para o time de projetos de TI.

Aqui na garagem os MVPs são elaborados através do nosso framework! E é sobre ele que iremos falar a seguir.

Começando pela ilustração abaixo, onde é possível visualizar todas as etapas do nosso processo e o respectivo tempo de duração para cada uma.

Como o Processo é Iniciado?

Trabalhamos através de Insights vindos das seguintes origens: Turbo (Hub de Inovação), Portfólio de Projetos (Priorização da área de negócio) ou demandas que venham direto das BU’s (“Eu tenho uma ideia que…” ou “Eu tenho um problema que…”).

Recebemos a demanda. Canetas e post it’s em mãos? Então é hora de pôr a mão na massa! Como? Rodamos o nosso Framework para construção e gerenciamento do processo, conforme será descrito nas etapas abaixo.

Discovery Fase de Inception

Esta etapa tem a duração de 2 semana, e é onde aplicamos algumas ferramentas para auxiliar o usuário no entendimento do seu problema e na construção do escopo da solução.

Etapas do Processo:

  • Definição do Problema

Ferramenta: Brainstorm

  • Qual é o Problema? Busca identificar qual é a DOR do usuário.
  • Quem é a Persona? Busca identificar quem é o cliente, a quem se deseja atender (Público-Alvo).
  • Quais são as Jornadas? Buscar identificar como o processo atenderá a cada usuário envolvido.

*** Para nós o ideal é que essa etapa do processo já venha pronta. Hoje temos o Turbo, que é o nosso Hub de inovação e faz justamente esse trabalho, através da metodologia Design Sprint.

Em alguns casos essas definições são necessárias mas não tem tanta maturidade, então direcionamos ao Turbo.

Ferramenta: Matriz CSD

A Matriz CSD (Certeza, Suposições e Dúvidas) é utilizada para levantar e dar visibilidade aos pontos de atenção do projeto.

Após a construção e preenchimento da matriz, é possível desenvolver um plano de ação para focar nos pontos que ainda são suposição ou dúvida. O objetivo é termos o maior número de certezas possíveis antes de iniciarmos o projeto.

Exemplo:

Ferramenta: É/Não é, Faz/Não faz

O objetivo desta matriz é tentar fechar o escopo do MVP.

Exemplo:

É: Determina tudo aquilo que o projeto é. (É WEB, Intuitivo, Digital, Acesso restrito…etc)

Não É:  Determina tudo aquilo que o projeto não é. (Offline, App, Chat…etc)

Faz: Determina tudo aquilo que o projeto a ser desenvolvido deverá fazer. Nesta etapa, começamos a definir quais as primeiras funcionalidades que o produto terá. (Gestão de cliente, emissão de pedidos, checkout pagamento, etc…)

Não Faz: Determina tudo aquilo que o projeto não faz também em termos de funcionalidade, ou seja, quais funcionalidades não farão parte do escopo do MVP. (Controle contábil, Gerar Relatório, Integração com outros sistemas…etc)

Após o preenchimento dos quadrantes descritos acima, já possível identificar o escopo do produto a ser desenvolvido. E isso é importante para dar visibilidade a todos os envolvidos sobre o que não fará parte do escopo do MVP.

 Exemplo:

  • Arquitetura

Ferramenta: Matriz Esforço X Valor

O objetivo desta etapa é pensarmos solução técnica e priorização de funcionalidades. O time técnico entra no processo para pensar sobre a arquitetura de solução e esforço para construção. É neste momento que o time técnico entende se vai construir algo novo, se vai utilizar algo que já exista ou se fará um mix de soluções. Com isto, conseguimos priorizar as funcionalidades do MVP.

Quanto maior o valor e menor o esforço técnico, mais prioritária será a funcionalidade.

  • Prototipação

A prototipação é a forma visual mais simples e de menor custo, para concretizar a solução identificada. É a tangibilização da solução, utilizada para se obter feedbacks do usuário e incrementar ou alterar a solução, caso seja necessário. É uma ótima oportunidade de aperfeiçoar a ideia antes que ela passe para a etapa de desenvolvimento, mitigando assim o risco de retrabalho. 

  • Implementação do MVP

Aqui na Garagem a equipe de desenvolvimento participa do processo desde o início, pois buscamos compartilhar conhecimento para agilizar o processo e construir a melhor solução possível. Equipe Colaborativa!

Para iniciar esta etapa, é necessário que todas as etapas anteriores, descritas na fase de Discovery, tenham sido realizadas.

Toda sexta-feira é realizada a Planning, nessa cerimônia o PO da fábrica de MVP (time garagem) apresentará o escopo a ser entregue. O time de desenvolvimento pontuará as funcionalidades da Sprint (pontos de esforço) e dará início ao desenvolvimento da solução.

O MVP é entregue em 4 semanas, considerando as fases de Discovery e Delivery. Após isto, com o produto já em produção, entramos na fase de sustentação que também é feita pelo time da garagem durante 3 meses.

  • Sustentação

Nesta etapa existe um monitoramento para identificar possíveis defeitos e corrigi-los. Também é possível metrificar a entrega de acordo com o tipo e objetivo do produto.

Após o período de 3 meses, a hipótese de negócio é validada ou não. Caso a hipótese seja validada e o time de negócios entenda que é dessa solução que eles precisam, fazemos o handover do MVP para o time de projetos, para que a solução entre numa esteira de entrega incremental de funcionalidades e se torne o produto que vai encantar os nossos clientes Ipiranga!

Bom. Esse é o funcionamento do “Framework da Fábrica de MVP”! Espero que tenham gostado.

Temos um canal exclusivo para dúvidas, sugestões e auxílio.

#Chamalá inception@garagemdigital.io


1 comentário

Thales Machado · 17/03/2020 às 15:56

Parabéns, Suelen! Amei o conteúdo. Agora quero/preciso aplicar essas técnicas com o meu o PO para termos uma melhor visão do nosso produto.

Suelen ícone. Nunca critiquei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: